terça-feira, 15 de abril de 2014

Meu mundo

Meu mundo é você, e tudo gira à sua volta... Não existe mais um momento sequer que eu não pense em você, ou em meus planos que nunca coloquei em prática por medo e insegurança.
 Sei que você não sabe (e talvez nunca saiba) o que eu sinto e o que sempre sonhei, e eu me acomodei à situação, infelizmente.
 Ainda sim, se você por acaso ler esse texto vai saber que ele é pra você e vai conseguir perceber algumas coisas que nunca deixei muito claras, apenas esbocei.
 Eu fico pensando e refletindo sobre a minha capacidade e o que eu sou, e isso me deixa mais inseguro ainda sobre minhas decisões. Eu sempre acabo me perdendo e as certezas que eu sempre tive somem.
 "Andando por aí, querendo te encontrar, nesta noite fria, sob a luz do luar... tudo passa em minha mente, um delírio simplesmente... por favor me dê um sinal, pra me livrar desse mal".
Só você me deixa feliz, só você faz eu me sentir bem e pensar que nada no mundo importa, a não ser a felicidade e alegria de aproveitar a vida.
Você tem tudo aquilo que quero e preciso.
Talvez um dia eu saia da minha trincheira e consiga te conquistar, mas ainda tenho medo de errar, medo de não ser recíproco, e eu acabar destruindo um afeto que levei anos para construir.
"Give me a sign, show me the light, maybe tonight I'll tell you everything".
Você pode até saber dos meus sentimentos, mas não sabe dos meus desejos e sonhos. Sou como um enigma, arranque a verdade.

domingo, 13 de abril de 2014

A minha trincheira


 Queria ter a coragem de me expor,
Sair dessa penumbra negra que me assola
E conseguir vencer...
Mas me falta coragem.

Observo estilhaços,
Plasmas jorram pelos campos de batalha,
E o medo se dissemina como lei
Entre aqueles que lutam.

Pra quê sair?
A morte parece inevitável
E meus sentimentos morrem junto àqueles que tento proteger.
Não há muito que eu possa fazer, elas estão longe e
Me encontro munido de facas, lutando contra fuzis.

Mas ainda posso sobreviver, e regozijar da glória
Daqueles que se sacrificaram heroicamente.
Basta esconder-me e camuflar-me, na minha trincheira.

Porém, é provável que eu seja encontrado, capturado,
Torturado e morto, sem sequer perceberem minha ausência.
Um homem, sem virtudes, vocações, e habilidades,
Sendo apenas mais um alvo fácil aos inimigos.

A vitória me parece longe, quase que inalcançável.
Soldados matam suas próprias esperanças bem ao fim do dia,
No pôr do sol.
Semblantes mudam de vencedores, para sobreviventes...
E abatidos, tentam se manter em pé.

Sigo em minha trincheira,
 Observando e esperando a hora de entrar em ação,
Temendo que esse momento ideal nunca chegue
E eu morra antes mesmo de tentar.

Que chegue logo a hora em que eu tenha
 Coragem, confiança, sorte e habilidade.
E se meu temor se concretizar... que eu me apague
E suma, para um lugar onde nada dependa de mim,

Ou de minhas ações.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Carta na manga!

Certamente o Az é a carta de baralho mais conhecida no mundo, e a que tem mais expressões e termos referentes à sua importância nos diversos tipos de jogos.
Existe uma hierarquia dentro de um baralho, e aplicando corretamente essa hierarquia pode ser ter um exemplo de como a vida real funciona. Podemos imaginar que nós somos os "azes" e nossa família pode ser a "família real"...podemos associar com qualquer carta, qualquer combinação,  qualquer sequência. Porém, há uma carta em particular, fora da hierarquia, que é sempre um mistério: o curinga.
O termo curinga, que é proveniente de um nome quimbundo, significa nada mais nada menos que matar.
Podemos ver a nossa própria vida como um jogo de cartas, onde cada um decide quais cartas tem em sua mão. Muitos adoram possuir copas, muitos preferem ouros... mas em cada mão,  sempre haverá um curinga que pode decidir o jogo contra, ou a favor.
Cada jogador decide aquilo que julgar como sua melhor estratégia de jogo, e deve sempre se lembrar de que nunca joga sozinho e às vezes um Rei e uma Rainha, são suficientes para se vencer um jogo.
Seja blefando ou dizendo a verdade, jogue da melhor forma possivel porque a vida é um jogo no qual todos podem ganhar, todos podem perder e as apostas são sempre altas. Use o curinga para vencer ou simplesmente o descarte, não deixe que ele acabe interferindo na sua vida. Não se esqueça que o jogo é vencido quando se sabe jogar, e quando as ações são subordinadas à mente.

sábado, 5 de abril de 2014

Sinto sua falta. Hoje faz pouco mais de um mês que você se foi e abriu um vazio enorme em mim. Quem já perdeu algo que gostava muito acho que é capaz de entender a dor e a saudade que eu sinto.
Sempre me senti só e nunca gostei dessa solidão, e durante o tempo que você esteve comigo isso simplesmente deixou de existir.
É muito difícil para mim passar o dia todo só. Por mais que você fosse apenas mais um pequeno e indefeso animal de estimação, você representava muito mais pra mim. Para uma pessoa como eu, que nunca recebeu muito carinho,  qualquer mínima demonstração de afeto já é suficiente pra ser mais do que especial pra mim.
Tem sido difícil conseguir coisas para me distrair e me deixar feliz como antes. Fico sempre me lembrando de como você era fofinho e engraçado e subia em cima de qualquer um que você visse. Você conseguiu unir minha família de um jeito que nunca tinha acontecido antes até você aparecer... e mesmo depois de não estar mais entre nós, você ainda conseguiu nos manter unidos. Minha mãe achou uma pena sua perdida pela casa, e todos nós choramos juntos relembrando como você era e o que fazia.
Sentimos saudades, espero que você esteja bem seja onde estiver. Obrigado por ter feito parte da minha vida Tony. Você era mais que um animal de estimação, você era parte de mim.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Minhas reticências

Hoje foi mais um daqueles dias que parece ser decisivo,  mas não é. Acordei decidido, depois me peguei frustrado,   repleto de dúvidas e sem saber mais como colocar tudo no lugar desejado, ou no lugar onde deve ficar.
Tudo se desfaz em uma "alameda de sonhos quebrados"*. Parece que sempre que escolho algo a vida me diz não, me derruba e me desencoraja.
Começo agora a me questionar sobre o que acredito, em que me iludo, e como continuo sempre inocente em relação a tudo.
Procuro sempre demonstrar confiança no que faço e fazer com segurança... mas na verdade eu nunca sei de nada e muito menos sei como fazer. Tenho medo que isso chegue num ponto em que eu não consiga mais suportar ou controlar. Acho que eu simplesmente exagero demais as coisas e atribuo valores incorretos em cada situação. Às vezes, tudo que eu quero é que alguém me entenda ou pelo menos tente... a comoção talvez me dê forças pra mudar minha visão e minha postura em relação às coisas que acontecem na minha vida. Preciso de maturidade, preciso de maldade... e principalmente de coragem para fazer as coisas acontecerem de modo que me façam bem.
A comodidade que eu tinha na minha vida acabou, e agora me sinto ambicioso... o que eu tinha de mais precioso antes, hoje, não é mais suficiente e eu anseio por coisas maiores.
Certa vez li uma frase em um lugar e agora posso compreendê-la melhor: "Às vezes tudo que precisamos é de 15 segundo de coragem insana".
Pois é, percebi que a única coisa que aproxima um covarde de alguém com coragem é um estampido de um arma voltada contra o próprio encéfalo.
Talvez um dia eu deixe de ser covarde, e me torne um realizador de sonhos... mas até lá, não me percam de vista... pode ser que eu goste do anonimato, e queria apagar os resquícios da minha existência.

*Referência à música da banda americana Green Day,  com o título de Boulevard of Broken Dreams

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Por que me orgulho de mim mesmo?

O orgulho é uma definição forte que o ser humano encontrou para ficar bem consigo mesmo.
Todo mundo deveria ter motivos para se orgulhar do que é, ou do que faz. Muitas coisas movem as pessoas, dão animo para elas seguirem em frente e fazem-nas lutarem pelos seus objetivos. Além do mais, cumprir objetivos é alcançar um pouco da felicidade.
Tudo que fazemos, é em prol de um objetivo que desejamos alcançar no futuro... porém muita gente pensa no futuro e se esquece de olhar o presente. Pare pra observar as coisas boas que você possui agora, e aproveite-as por que elas duram pouco.
Respondendo ao titulo, eu me orgulho do que sou porque conheço o que já fui e o que já fiz. Conheço bem minhas escolhas, sei o que já errei, sei o que já acertei, aprendi muitas coisas e continuo aprendendo. Por mais que eu tenha errado, me magoado e magoado alguém, isso tudo me fez chegar onde estou. Hoje, possuo amigos no qual sonhei quando era pequeno, recebo amor de pessoas que nunca imaginava, posso ser bom para as pessoas que amo, e tenho exatamente as pessoas que eu queria perto de mim.
Orgulho-me porque sei que tudo que eu fizer, valerá a pena, se eu tiver essas pessoas comigo. Orgulho-me porque percebi que sou digno de participar da vida de certas pessoas, e ser muito feliz com isso. Orgulho-me porque ninguém nunca esperou nada de mim, e venho sempre contrariando as expectativas. Orgulho-me porque não era nada, e tenho capacidade de ser tudo. Orgulho-me por que acima de tudo, ainda estou vivo e tive uma segunda chance.
Tive sorte por ter chegado até aqui hoje... eu poderia ter morrido num hospital enquanto ainda era recém nascido. Tive problemas, tive complicações, e alguns médicos simplesmente alegaram que eu nunca teria um desenvolvimento completo por causa da falta de oxigenação no meu cérebro no momento do parto. Pois é... estou aqui hoje, escrevendo, vivendo e me orgulhando a cada segundo que se passa na minha vida (até que eu cheguei  longe).
A gente nasce sem nada, e é moldado com o tempo... isso faz com que nós sejamos compostos por aprendizados e conquistas. Observe o que você tem hoje, pare pra refletir o que você é, e sinta-se orgulhoso por que você com toda certeza tem motivos para viver.

A vida é muito frágil, a gente pode perdê-la com pequenos descuidos. Não tem sentido nenhum viver sem aproveitar os momentos, tudo o que você conquistou e ainda vai conquistar. Orgulhe-se do que você é, porque você é único e nada, nem ninguém pode destruir o que você é.  

quarta-feira, 2 de abril de 2014

O primogênito eterno

Um traço característico da minha escrita,  é o abuso da pessoalidade dialogando com o leitor, diretamente,  ou indiretamente.
Pensei em fazer uma apresentação sobre quem sou, mas percebi que é completamente desnecessário e não se justifica... às vezes o anonimato é uma vantagem.
Então como o primeiro texto,  vou expor a minha visão sobre a escrita.
Escolhi esse tema, pois é o fim principal de um blog como este.
A escrita é a única coisa que me liberta do que eu preciso demonstrar ser. Por instantes, ou melhor, por palavras,  eu posso ser absolutamente o que eu quiser ser apenas usando as palavras certas. Através do que escrevo, sinto que o que eu penso se materializa e vira uma verdade (mesmo que não absoluta).

Algumas pessoas escrevem suas vidas resumidas e chamam de biografia. Outras pessoas resumem sua vida à escrever, e e chamam de liberdade.

As palavras estão para mim, assim como a vida está para o resto do mundo. Se a vida é o bem mais precioso que se pode ter, então literalmente,  minha vida é escrever.

Acredito que possuo essa paixão súbita pela escrita,  porque é o único meio que encontro para poder me expressar da maneira que eu quero, escolhendo cuidadosamente as palavras, sem cometer falhas e se necessário, me esconder do mundo.
Sempre existe um mistério por trás das minhas palavras, e o que digo nunca é o que quero dizer. Isso é algo que nem as pessoas mais próximas e mais íntimas conseguem distinguir. Sou bom em esconder
Sentimento atrás de palavras, fazendo com que qualquer palavra se torne o que eu desejar. Acredito que isso é a maior dádiva da escrita, nada é absoluto.

Eu escrevo para viver, e vivo para escrever.